quarta-feira, 29 de julho de 2009

A coisa mais bizarra que eu já vi na vida



É bom estar em comunhão com os irmãos, mas melhor é rir com os irmãos! rachei de rir com o Silvio Maia, meu novo ídol... ops sei lá oque.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Você é bom o suficiente para ir para o céu?

Não importa o que você faça de bom, sem fé na graça de Deus você não presta e nunca irá prestar.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Todas estas crianças irão para o céu

As 10 crianças mais malvadas do cinema
Jesus, porém, chamou-as e disse: Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas. Até o adulto mais limpo e correto não será salvo se não for como uma criança.



Damien - 'A profecia' (1976)
Dirigido por Richard Donner, o filme mostra a história de um casal que acaba levando para casa o filho do demônio, ele provoca destruição por onde passa, com seu olhar vermelho e seu gosto pela morte.



Regan Teresa McNeil - 'O exorcista' (1973)
Nesse clássico do gênero, vencedor de dois Oscars, Linda Blair imortalizou a personagem que, possuída pelo próprio demônio, desafia o padre exorcista, agride a família e se transforma praticamente num monstro. Os efeitos especiais marcaram a época, mas ela mete medo até hoje.



Samara Morgan - 'O chamado' (2002)
Essa garotinha, que foi assassinada por sua mãe adotiva, voltou das trevas para amedrontar inocentes por meio de uma fita de vídeo. Com seus cabelos compridos e seu rosto corroído, ela persegue a personagem de Naomi Watts e seu filho em busca de vingança.
"Todo mundo vai sofrer", diz Samara Morgan às suas vítimas



As irmãs Grady - 'O iluminado' (1980)
Esse clássico de Stanley Kubrick traz diversas imagens horripilantes, como Jack Nicholson perseguindo sua família com um machado em punho. Mas as irmãs gêmeas que aparecem nos corredores do hotel amaldiçoado também fazem tremer a alma. "Venha brincar com a gente, Danny, para sempre", dizem.



Charlie McGee - 'Chamas da vingança' (1984)
Depois de se destacar como a menininha de "E.T.", Drew Barrymore apostou em um papel mais ousado: Charlie é uma garota que consegue criar fogo com a força do pensamento. Baseado na obra de Stephen King, o longa mostra a fuga da menina e seu pai, que tentam escapar de agentes do governo. Por onde ela passa, a destruição se espalha.



Henry Evans - 'O anjo malvado' (1993)
Dizem que o mal tem muitas faces, mas neste filme ele ganha o rostinho bonito de Macaulay Culkin, astro da comédia "Esqueceram de mim". Aparentemente normal, Henry encarna forças malignas: ele tenta matar seu primo e provoca acidentes graves, entre outras artimanhas.



Emily Callaway - 'Amigo oculto'
Interpretada por Dakota Fanning, Emily é uma menina que se muda com o pai (vivido por Robert de Niro) para recomeçar a vida depois da morte trágica da mãe. Ela começa a agir de forma cada vez mais sinistra depois que começa a se comunicar com um 'amigo imaginário'. Mas cuidado: as aparências enganam.



Esther - 'A órfã' (2009)
No terror lançado nos EUA este fim de semana, Esther é uma menina russa de 9 anos que é adotada por um casal traumatizado pela perda de um bebê. Mas, aos poucos, Esther revela a maldade que esconde dentro de si, ameaçando a família adotiva. O filme deve estrear no Brasil em setembro.



Isaac - 'A colheita maldita' (1984)
Na trama aterrorizante de Stephen King, Isaac Chroner é um garoto que vira uma espécie de líder e ordena que outras crianças de uma pequena cidade matem os adultos. Seus pequenos seguidores acabam causando uma matança.



Rhoda - 'The bad seed' (1956)
Mentir, roubar e matar são parte da rotina de Rhoda, que marcou o cinema como a primeira criança malvada da história. Com um instinto assassino herdado de sua avó, a loura elimina outras garotas impiedosamente por motivos fúteis, como brinquedos e medalhas.

via:G1

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Ex- travesti?

Domingo no programa global FANTASTICO, será exibido uma matéria com este sujeito do video.

De putas a Cleyciannes - Ele quer todas



Como muitos cristãos dos nossos dias, Lutero se debatia noite adentro com a questão
fundamental: de que forma o evangelho de Cristo podia ser realmente chamado de "Boa Nova" se Deus é um juiz justo que retribui aos bons e pune os perversos? Será que Jesus veio realmente revelar essa terrível mensagem? De que forma a revelação de Deus em Cristo Jesus podia ser acuradamente chamada de "Nova", já que o Antigo Testamento defendia o mesmo tema, ou de "Boa",com a ameaça de punição suspensa como uma nuvem escura sobre o vale da história?

Porém, como observa Jaroslav Pelikan: "Lutero repentinamente chegou à percepção de que a "justiça de Deus" da qual Paulo falava nessa passagem não era a justiça pela qual Deus era justo em si mesmo (que seria uma forma passiva de justiça), mas a justiça pela qual, por causa de Jesus Cristo, Deus tornou justos pecadores (isto é, justiça ativa) através do perdão dos pecados na justificação. Quando descobriu isso, Lutero afirmou que os próprios portões do Paraíso haviam-se aberto para ele.5 Que verdade atordoante!

"Justificação pela graça mediante a fé" é a frase erudita dos teólogos para o que Chesterton chamou certa vez de "amor selvagem de Deus". Ele não é instável nem caprichoso; não conhece épocas de mudança. Deus tem um único posicionamento inflexível com relação a nós: ele nos ama. Ele é o único Deus jamais conhecido pelo homem que ama os pecadores. Falsos deuses — criados pelos homens — desprezam os pecadores, mas o Pai de Jesus ama a todos, não importa o que façam. Isso é naturalmente incrível demais para aceitar. No entanto, a afirmação central da Reforma permanece: não por qualquer mérito nosso, mas pela sua bondade, tivemos nosso relacionamento restaurado com Deus através da vida, da morte e da ressurreição do seu amado Filho. Essa é a boa nova, o evangelho da graça.

Com sua característica joie de vivre, Robert Capon coloca da seguinte forma: "A Reforma foi uma ocasião em que os homens ficaram cegos, embriagados por descobrir, no porão empoeirado do medievalismo tardio, uma adega repleta de graça envelhecida mil e quinhentos anos, com teor
alcoólico 100% —garrafa após garrafa de pura Escritura destilada, um gole da qual bastava para convencer qualquer um de que Deus nos salva sem precisar de ajuda. A palavra do evangelho — depois de todos aqueles séculos de tentar elevar-se ao céu preocupando-se com a perfeição de
seus cadarços — tornou-se repentinamente um anúncio direto de que os salvos já estavam em casa mesmo antes de começarem (...) A graça deve ser bebida pura: sem água, sem gelo, seguramente sem água tônica; não se permite que nem bondade, nem maldade, nem as flores que desabrocham na primavera da superespiritualidade entrem no preparado"

Mateus 9:9-13 captura um adorável vislumbre do evangelho da graça: Jesus saiu dali e, no caminho, viu um cobrador de impostos, chamado Mateus, sentado no lugar onde os impostos
eram pagos.

Jesus lhe disse: — Venha comigo. Mateus se levantou e foi com ele. Mais tarde, enquanto Jesus estava jantando na casa de Mateus, muitos cobradores de impostos e outras pessoas de má fama
chegaram e sentaram-se à mesa com Jesus e os seus discípulos. Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: — Por que é que o mestre de voces come com os cobradores de impostos e com outras pessoas de má fama? Jesus ouviu a pergunta e respondeu: — Os que têm
saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. Vão e procurem entender o que quer dizer este trecho das Escrituras Sagradas: "Eu quero que as pessoas sejam bondosas e não que me ofereçam sacrificios de animais". Porque eu vim para chamar os pecadores e não os bons (NTLH).

Evangelho Maltrapilho - Brennan Manning

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Simplesmente JESUS


Por Leonard Sweet e Frank Viola (tradução livre por Luís F. Batista) Os cristãos fizeram do evangelho tantas coisas… tantas coisas além de Cristo. Jesus Cristo é o ponto gravitacional que une todas as coisas e dá a elas significado, realidade e sentido. Sem ele, todas as coisas perdem seu valor. Sem ele, todas as coisas são nada, nada além de pedaços deslocados flutuando ao redor do espaço.

É até possível considerar uma verdade espiritual, valor, virtude ou dom, ainda que se esqueça a Cristo… que é a personificação e encarnação de toda verdade espiritual, valor, virtudes ou dons.

Busque uma verdade, um valor, virtude ou um dom espiritual em si mesmo, e você vai encontrar algo morto.

Busque a Jesus, abrace a Jesus, conheça a Jesus, e você terá chegado a ele que é Vida. E nele reside toda Verdade, Valores, Virtudes e Dons em cores vivas. Beleza que tem significado na beleza de Cristo, em quem encontramos tudo que nos faz amorosos e amáveis.

O que é o Cristianismo? É Jesus. Nada mais, nada menos. Cristianismo não é uma ideologia. Cristianismo não é uma filosofia. Cristianismo são as “boas novas” de que Beleza, Verdade e Bondade são encontradas em uma pessoa. A comunidade bíblica foi fundada e é encontrada na conexão com esta pessoa. Conversão é mais do que mudança na direção; é uma mudança na conexão. O uso de Jesus da palavra Hebraica shubh, ou no seu equivalente Aramaico, que chamamos de “arrependimento” não implica em ver Deus de uma distância, mas entrar em um relacionamento em que Deus é o comando central da conexão humana.

A esse respeito, nós sentimos uma desconexão enorme na igreja hoje. Para isso é esse manifesto.

Nós cremos que a maior doença da Igreja hoje é DDJ: Distúrbio da Deficiência de Jesus. A pessoa de Jesus tem se tornado cada vez mais politicamente incorreta, mas tem sido também substituída pela linguagem da “justiça”, “reino de Deus”, “valores” e “princípios de liderança”.

Nessa hora, o testemunho a que sentimos a que Deus nos chama é de levantar centros da primazia do Senhor Jesus Cristo. Especificamente…

1 – O centro e circunferência da vida Cristã é nada mais do que a pessoa de Cristo. Todas as outras coisas, incluindo coisas relacionadas a ele e sobre ele, são obscurecidas pelo sinal da sua importância sem par. Conhecer Jesus é Vida Eterna. E conhecer a ele profundamente, densamente e em realidade, assim como experimentar das suas inescrutáveis riquezas, é a maior busca de nossas vidas, assim como o foi para os primeiros Cristãos. A intenção de Deus não tinha tanto a ver em consertar coisas que estavam erradas nas nossas vidas, mas sim, nos encontrar em nossa fragmentação e nos dar Jesus.

2 – Jesus Cristo não pode ser separado de seus ensinamentos. Aristóteles disse a seus discípulos, “Sigam meus ensinamentos”. Sócrates disse a seus discípulos, “Sigam meus ensinamentos”. Buda disse a seus discípulos, “Sigam minhas reflexões”. Confúcio disse a seus discípulos “Sigam o que disse”. Maomé disse a seus discípulos, “Sigam meus pilares”. Jesus disse a seus discípulos, “Sigam-me”. Em todas as outras religiões, um seguidor pode seguir os ensinamentos de seu fundador sem ter nenhum relacionamento com seu fundador. Isso não acontece com Jesus Cristo. Os ensinos de Jesus não podem ser separados da pessoa de Jesus. Jesus Cristo está vivo e ele personifica seus ensinamentos. É um equívoco muito grande , então, tratar Cristo como simplesmente um fundador com uma série de ensinamentos morais, éticos ou sociais. O Senhor Jesus e seus ensinamentos são um. O Meio e a Mensagem são um. Cristo é a encarnação do Reino de Deus e do Sermão do monte.

3 – A grande missão de Deus e seu propósito eterno na terra e no céu converge em Cristo… tanto o Cristo individual (a cabeça) como o Cristo corporativo (o corpo). Esse universo se move para um objetivo final – a plenitude de Cristo, onde Ele irá preencher todas as coisas com ele. Ser realmente missional, então, significa construir uma vida e seu ministério em Cristo. Ele é tanto o coração como o sangue do plano de Deus. Perder isso é perder o eixo, e com certeza, é perder tudo.

4 – Ser um seguidor de Jesus não envolve tanta imitação tanto quanto envolve implantação e imparcialização. Encarnação – a noção de que Deus conecta a nós na forma de um nenê e no toque humano – é a doutrina mais chocante da religião Cristã. A encarnação tanto aconteceu de uma vez por todas quanto o está em andamento agora, assim que Ele “que foi e que há de vir” agora é e vive sua vida ressurreta em nós e através de nós. Encarnação não se aplica somente a Jesus; se aplica a cada um de nós. Lógico, não da mesma forma sacramental. Mas próximo. A nós foi dado o Espírito de Deus que faz Cristo real em nossas vidas. Nós formos feitos, como Pedro colocou, “participantes da natureza divina”. Como, então, diante de uma tão grande verdade, podemos pedir por brinquedos e doces? Como podemos nos perder por dons tão inferiores e clamar por coisas tão religiosas e espirituais? Nós fomos tocados do alto pelo fogo do Todo Poderoso com fogo divino. A vida que venceu a morte – a vida ressurreta do Filho de Deus. Como não podemos ser atingidos também?

Para colocar uma questão: Qual foi o motor, ou o acelerador da vida maravilhosa de Deus? Qual foi o ramo principal desse comportamento externo? Foi isso: Jesus viveu a presença de seu Pai. Depois de sua ressurreição, este processo se moveu. O que Deus o Pai era para Jesus Cristo, Jesus Cristo agora o é para você e para mim. Ele é essa presença maravilhosa, e nós compartilhamos a vida de Jesus e seu próprio relacionamento com o Pai. Há um vasto oceano de diferença entre mandar os cristãos imitar a Jesus e aprender como encarnar um Cristo implantado. O primeiro termina em uma completa frustração. O último é o caminho para vida e alegria no nosso dia a dia e na nossa morte. Nós ficamos como Paulo: “Cristo vive em mim”. Nossa vida é Cristo. Nele vivemos, respiramos e somos. “O que Jesus faria?” não é Cristianismo. O Cristianismo pergunta: “O que Jesus está fazendo através de mim… e através de nós? E como Jesus está fazendo isso?” Seguir Jesus significa “Confie e obedeça” (responda), e viva sua presença pelo poder do Espírito.

5 – O “Jesus da história” não pode ser desconectado do “Jesus da fé”. O Jesus que andou pelas partes da Galiléia é a mesma pessoa que habita a igreja hoje. Não deve haver desconexão entre o Jesus do evangelho de Marcos com o incrível, todo-inclusivo Cristo cósmico que Paulo descreveu na carta aos Colossenses. O Cristo que viveu no primeiro século existia antes da história. Ele também tem uma existência depois da história. Ele é o Alfa e o ômega, Princípio e fim, A e Z, tudo ao mesmo tempo. Ele habita no futuro e no fim dos tempos ao mesmo tempo que ele habita em cada filho de Deus. A falha em abraçar essa verdade paradoxal tem criado problemas enormes e tem diminuído a grandeza de Cristo aos olhos do povo de Deus.

6- É possível confundir “a causa” de Jesus Cristo com sua própria pessoa. Quando a primeira igreja falava “Jesus é o Senhor” , isso não significava “Jesus é o meu valor principal”. Jesus não é uma causa; ele é real e uma pessoa viva que pode ser conhecida, amada, experimentada, entronizada e personificada. Focar em sua causa ou missão não é igual a focá-lo ou segui-lo. É muito possível servir “o deus” do serviço de Jesus em oposição a servi-lo com coração arrebatado que foi cativo por sua irresistível beleza e incompreensível amor. Jesus nos leva a pensar em Deus de forma diferente, como relacionamento, como o Deus de todo relacionamento.

7- Jesus Cristo não foi um mero ativista social ou filósofo moral. Considerá-lo dessa forma é tirar sua glória e diluir sua excelência. Justiça fora de Cristo é uma coisa morta. O único golpe que pode perturbar os portões do inferno não é o grito de Justiça, mas o nome de Jesus. Jesus Cristo é a personificação da Justiça, Paz, Santidade e Retidão. Ele é a soma de todas as coisas espirituais, o “atractor estranho” do cosmos. Quando Jesus se torna uma abstração, a fé perde seu poder reprodutor. Jesus não veio para tornar pessoas más boas. Ele veio para tornar pessoas mortas vivas.

8 – É possível confundir um conhecimento acadêmico ou teológico sobre Jesus com um conhecimento pessoal do próprio Cristo vivo. Os dois estão tão distantes um do outro quanto centenas de milhões de galáxias. A plenitude de Cristo não pode ser alcançada somente pelo lóbulo frontal. A fé cristã clama pela racionalidade, mas busca também alcançar os maiores mistérios. A cura para um grande cérebro é um grande coração.

Jesus não equipou seus discípulos com fichários de teologia sistemática. Ele deixou a seus discípulos corpo e respiração.

Jesus não deixou seus discípulos um sistema de fé bastante claro e coerente para que eles amem a Deus e aos outros. Jesus deu a seus discípulos feridas para tocar e mãos para curar.

Jesus não deixou a seus discípulos uma crença intelectual ou uma cosmovisão cristã. Ele deixou seus discípulos com uma fé relacional.

Cristãos não seguem um livro. Cristãos seguem uma pessoa, e a essa biblioteca de livros divinamente inspirados, nós chamamos “A Bíblia Sagrada” como a melhor ajuda para seguir esta pessoa. A Palavra Escrita é um mapa que nos leva a seguir a Palavra Viva. Ou como Jesus mesmo colocou, “Toda a Escritura testifica de mim”. A Bíblia não é o destino, é uma bússola que aponta para Cristo, Nossa Estrela do Norte do céu.

A Bíblia não apresenta um plano para viver. As “boas novas” não são um conjunto de leis, ou um conjunto de inferências éticas, ou um novo e melhor PLANO. As “boas novas” são a história da vida de uma pessoa , como refletida no credo apostólico. O Mistério da Fé proclama esta narrativa: “Cristo morreu, ressuscitou e voltará”. O significado do Cristianismo não vem da concordância de uma série de doutrinas teológicas complexas, mas um amor apaixonado por um modo de vida na Terra que se resume a seguir a Jesus, que fala que amor é o que faz da vida um sucesso… não riquezas, saúde ou qualquer outra coisa: mas amor. E Deus é amor.

9 – Só Jesus pode consertar e preencher o vazio no coração da igreja. Jesus Cristo não pode ser separado de sua igreja. Enquanto Jesus é distinto de sua Noiva, ele não está separado dela. Ela é de fato seu próprio corpo na terra. Deus escolheu para vesti-la de todo poder, autoridade e vida no Cristo vivo. E Deus em Cristo só é conhecido plenamente através de sua igreja (Como Paulo disse, “A multiforme sabedoria de Deus – o qual é Cristo – que é conhecido através da “ekklesia”)

A vida cristã, então, não é uma busca individual. É uma jornada coletiva. Conhecer Cristo e fazê-lo conhecido não é um projeto individual. Aqueles que insistem em um vôo solo de vida será trazido à terra através de uma terrível queda. Pois Cristo e sua igreja são intimamente unidos e conectados. O que Deus uniu, que nenhuma pessoa separe. Nós fomos criados para vida com Deus; nossa única felicidade é encontrada na vida com Deus. E o próprio prazer de Deus e deleite é encontrado dessa mesma forma.

10 – Em um mundo que canta “Quem é esse Jesus?” e uma igreja que canta “Oh, vamos ser todos iguais a Jesus”, nós vamos cantar a plenos pulmões, “Oh, como amamos Jesus!”

Se Jesus se levantou dos mortos, nós temos que no mínimo nos levantar de nossas camas, de nossos bancos e sofás e responder à vida ressurreta do Senhor em nós, nos juntando à Jesus àquilo que ele se importa nesse mundo. Nós chamamos a outros para se juntar a nós – não nos retirando do planeta Terra, mas plantando firmes nossos pés neste planeta enquanto nosso espírito se eleva até os céus, até aquilo que agrada a Deus e que o encontra em seu propósito. Nós não somos deste mundo, mas nós vivemos neste mundo para os direitos e interesses do Senhor. Nós, coletivamente, como ekklesia de Deus, somos Cristo neste e para este mundo.

Que Deus encontre pessoas aqui na terra que sejam pessoas de Cristo, em Cristo e para Cristo. Um pessoal da cruz. Um pessoal consumido com a eterna paixão de Deus, o qual existe para a preeminência de seu filho, para sua supremacia e para que ele esteja à frente de todas as coisas visíveis e invisíveis. Um pessoal que tenha descoberto o toque do Todo Poderoso na face de seu glorioso filho. Um pessoal que queira conhecer somente a Cristo e ele crucificado, e deixe todas as outras coisas caiam de lado. Um pessoal que está desvendando sua profundidade, descobrindo sua riqueza, tocando sua vida e recebendo seu amor e fazendo a ELE em toda a sua insondável glória conhecido a outros.

Nós dois podemos discordar a respeito de muitas coisas – sejam elas eclesiologia, escatologia, soteriologia, isso sem mencionar economia, globalização e política.

Mas em nossos dois últimos livros – From Eternity to Here (Da eternidade para cá) e So Beautiful (Tão lindo) nós temos tocado trombetas unísonas. Esses livros são Manifestos desse manifesto. Cada um deles apresenta a visão que capturou nossos corações e que gostaríamos que fossem partes integrantes do Corpo de Cristo – esta “UMA COISA eu sei” (João 9:25) esta é a UMA COISA que une a todos nós:



Jesus o Cristo.

Cristãos não seguem o Cristianismo, Cristãos seguem Cristo.

Cristãos não pregam a si mesmos, Cristãos proclamam Cristo.

Cristãos não apontam para uma base de valores, Cristãos apontam para cruz.

Cristãos não pregam sobre Cristo, Cristãos pregam Cristo.

Há 300 anos atrás, um pastor alemão escreveu um hino ao redor do Nome acima de todos os nomes:

Perguntai que grande coisa eu sei

que me delicia e me comove tanto?

Que grande prêmio eu recebi?

Em qual nome me glorio?

Jesus Cristo, o crucificado.

Esta é a grande coisa que eu sei

que me delicia e me comove tanto:

fé naquele que morreu para salvar

Naquele que triunfou sobre o túmulo:

Jesus Cristo, o crucificado

Jesus Cristo – o crucificado, ressurreto, entronizado, triunfante e vivo Senhor.

Ele é nossa busca, nossa paixão, nossa vida.

Amém.

Para discutir esse manifesto e suas implicações, visite o blog “A Jesus Manifesto” Sugerimos que você ouça à musica que está no YouTube “Give me Jesus ” enquanto lê este manifesto.

Click here to download this manifesto as a PDF file

Fonte desta tradução: Renovatio Cafe

terça-feira, 14 de julho de 2009

Cada louco com a sua mania

Tem gente louca por drogas

Êxtase, doidão, bagulho, essa é da boa...











Tem gente louca por dinheiro

Bovespa, ações, queda da bolsa, lucro...












Tem gente louca por coisas materiais

Modelito, fashion, exclusivo, grife, deluxe













Tem gente louca por poder

Almoço vip, aquisições, monopólio, tênis, golfe...










Tem gente louca por seu visual

Ídolo, ego, eu, minha pessoa...











O problema é que....Um dia isso acaba...












JIMI HENDRIX (1942 – 1970) Legendário guitarista de rock e ídolo na década de 60, que era “mucho loco”, certa vez num concerto parou bem no meio de uma música e gritou “Alguém aí sabe o que é a verdade?”











LORD BYRON (1788 – 1824) Excêntrico poeta romântico certa vez escreveu:“Já sorvi da taça de todos os prazeres, e ingeri de todo cálice de fama, mais ainda MORRO DE SEDE!”










VAN MORRISON Famoso musico e compositor da década de 70, declarou: “Quando você finalmente conquista a FAMA, descobre que não passa de uma sala VAZIA”


Esses caras estavam repetindo o que a Bíblia disse há muito tempo.... “Até no riso tem dor o coração, e o fim da alegria é a tristeza” isso é provérbios 14:13

Saca só!










Quando Jesus encontrou um mulher tirando água de um poço, Ele lhe disse algo INCRíVEL que TRANSCENDE o TEMPO.

Ele disse (vê se entende):

“Quem beber desta água (H20) vai ter sede novamente, mas quem beber da água que eu lhe der NUNCA mais terá sede”

(trocando em miúdos, significa que se você beber Jesus, o seu espírito ficará satisfeito para sempre. Você vai ter felicidade, paz e uma razão para viver. E além do mais, quando morrer, o seu espírito vai viver para sempre no lugar mais deslumbrante que você poderia imaginar)

Isso é que é LOUCURA!

(se quiser embarcar na melhor viagem de todas, repita a seguinte oração)

“Jesus, já experimentei um monte de coisas, mas nunca experimentei você. Quero que entre na minha vida para eu poder sentir felicidade de verdade, paz e ter uma razão para viver. Eu adoraria ir para aquele lugar incrível depois que morrer! Por favor entre no meu coração e passe uma borracha em todos os meus erros. Como só você pode fazer.


quinta-feira, 9 de julho de 2009

Como não fazer sucesso na vida.


















Por isso eu digo a vocês: não se preocupem com a comida e com a bebida que precisam para viver nem com a roupa que precisam para se vestir. Afinal, será que a vida não é mais importante do que a comida? E será que o corpo não é mais importante do que as roupas?

Vejam os passarinhos que voam pelo céu: eles não semeiam, não colhem, nem guardam comida em depósitos. No entanto, o Pai de vocês, que está no céu, dá de comer a eles. Será que vocês não valem muito mais do que os passarinhos?

E nenhum de vocês pode encompridar a sua vida, por mais que se preocupe com isso.

E por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem as flores do campo: elas não trabalham, nem fazem roupas para si mesmas.

Mas eu afirmo a vocês que nem mesmo Salomão, sendo tão rico, usava roupas tão bonitas como essas flores.

É Deus quem veste a erva do campo, que hoje dá flor e amanhã desaparece, queimada no forno. Então é claro que ele vestirá também vocês, que têm uma fé tão pequena!

Jesus - Mateus 6 apartir do 20

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Ouça a dica de livro.

CBN entrevista Marilia Camargo Cesar, jornalsta, autora do livro 'Feridos em Nome de Deus'. O livro conta a história de pessoas machucadas e traumatizadas em suas experiências em igrejas.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Lembra do Alice Cooper?

Alice Cooper diz que ama Deus, mas não quer se tornar um crente “celebridade”. Até bonequinhos fizeram dele. O pai do Shock Rock, estilo musical onde as atitudes grotescas feitas no palco horrorizaram pais por mais de trinta anos, contou como o medo do inferno o virou para Deus. Ele, que cantava sobre necrofilia e picotava bonecas durante seus concertos, declarou que, apesar de continuar a gravar e fazer turnês teatrais com shows de horror, “minha vida é dedicada a seguir Cristo”. Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

Embora ele tenha se tornado um cristão nos anos 80, fora alguns pequenos comentários em algumas entrevistas, o cantor de 61 anos sempre foi resguardado em sua fé - até agora. Em uma entrevista franca com uma revista de música cristã, ele falou publicamente pela primeira vez sobre seu amor por Deus e a relutância em se tornar uma “celebridade cristã”.

Um líder das paradas com o hino adolescente “School’s Out”, Cooper foi creditado por pavimentar o caminho para alguns cantores ultrajantes como Marilyn Manson. Mas ele afirma que suas obras nunca foram políticas ou religiosas e sempre tiveram “senso de humor”.


Ele contou à HM, The Hard Music Magazine, que sempre foi insultado, toda hora sendo acusado de ser satanista. Criado em uma casa cristã, ele ainda acreditava em Deus, apesar dele não ser comprometido. Isso mudou quando o alcoolismo ameaçou seu casamento. Ele e sua mulher, Sheryl, foram a uma igreja que tinha um pastor que falava sobre o inferno.

Cooper disse que se tornou um cristão “inicialmente mais por medo de Deus do que por amor a Ele… Eu não queria ir para o inferno”. Entrevistado na edição de março/abril da HM, Cooper via sua fé como “uma coisa em curso”. “Ser um cristão é algo em que você apenas progride. Você aprende, vai para seus estudos da Bíblia, você ora”, disse ele.

Ele tem evitado o posto de “celebridade cristã” pois “é realmente fácil se focar em Alice Cooper e não em Cristo. Eu sou um cantor de rock, nada mais do que isso. Não sou um filósofo. Me considero abaixo no poleiro do conhecimento cristão, então, não procure respostas em mim”.

Apesar disso ele pôde conversar com outros na cena musical sobre sua fé. “Eu tinha um casal de amigos meus com quem conversei que disseram que eles tinham [aceitado Cristo]. Eu tenho conversado com algumas grandes estrelas sobre isso, alguns personagens horríveis… e você ficaria surpreso. Aqueles que você pensa que estão mais longe são os que estão mais aptos a ouvir”.

Alguns outros roqueiros pauleira (termo da sessão da tarde) convertarem também dá uma olhada no video



Deus abençoe vocês.